Cartilha
Acessibilidade na Web
W3C Brasil

Ilustração representando deficiência auditiva, motora, visual e duas pessoas sem deficiência

Fascículo I
Introdução

Índice

  1. Prefácio
  2. Capítulo 1: Introdução
  3. Capítulo 2: O que é acessibilidade na web
  4. Capítulo 3: Quem são os beneficiados com uma web acessível?
  5. Capítulo 4: Referências para consulta
  6. Referências bibliográficas

Prefácio

O World Wide Web Consortium (W3C) é um consórcio internacional em que organizações filiadas, uma equipe em tempo integral e o público trabalham juntos para desenvolver padrões para a web. O W3C já publicou mais de cem padrões, como HTML, CSS, RDF, SVG e muitos outros. Todos os padrões desenvolvidos pelo W3C são gratuitos e abertos, visando garantir a evolução da web e o crescimento de interfaces interoperáveis.

Liderado pelo inventor da web Tim Berners-Lee e pelo CEO Jeffrey Jaffe, o W3C tem como missão conduzir a World Wide Web a atingir todo seu potencial, desenvolvendo protocolos e diretrizes que garantam seu crescimento de longo prazo.

O W3C Brasil iniciou suas atividades em 2008 por iniciativa do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) e do núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br). Hospedar um escritório do W3C é estratégico para que a comunidade brasileira não apenas adote padrões web, mas também contribua com inovação e desenvolvimento, por meio, principalmente, de fóruns de discussões do W3C. o W3C Brasil acompanha as discussões de alcance mundial sobre o desenvolvimento dos padrões, com uma atenção especial a temas como: Open Web Platform, dados abertos e acessibilidade na web. Este último está na agenda principal do W3C Brasil desde sua inauguração.

Além de promover o uso de padrões desenvolvidos internacionalmente para que as páginas web sejam acessíveis a todos (WCAG 2.0 – Diretrizes de Acessibilidade a conteúdo Web), o W3C Brasil coordena ações locais nesse tema. uma delas é o Prêmio Nacional de Acessibilidade na Web – Todos na Web, que reconhece trabalhos, iniciativas e pessoas que promovem a eliminação de barreiras e facilitam o acesso a sítios web, possibilitando uma experiência rica de navegação na Internet para todas as pessoas.

Além desse prêmio, o W3C Brasil, desde 2009, promove ações no Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, celebrado no dia 3 de dezembro e proclamado pela onu para promover não só a sensibilização da sociedade em relação ao tema, mas também trazer à tona ações, discussões e medidas quanto à acessibilidade. um exemplo foi o evento realizado no Memorial da América Latina durante a Virada Inclusiva de São Paulo em 2012.

O W3C Brasil conta com o Grupo de Trabalho de Acessibilidade na Web do W3C Brasil (GT Acessibilidade na Web), criado em março de 2012 que se reúne periodicamente para planejar ações a serem realizadas no Brasil. Em 2013, o grupo conta com mais de sessenta pessoas, entre elas representantes do governo federal, estadual e municipal de diversos estados, membros de instituições para pessoas com deficiência, acadêmicos e representantes da sociedade civil.

Uma das demandas desse grupo foi produzir uma Cartilha de Acessibilidade na Web, para orientar gestores, desenvolvedores, auditores, procuradores, promotores e cidadãos sobre a importância de se preocupar com e investir em acessibilidade na web.

Esta cartilha surgiu da necessidade de uma documentação que auxiliasse as pessoas a entender como funciona a web, seus benefícios e potencialidades, e a cobrar seus direitos ao acessar conteúdos na rede. Trata-se de um trabalho colaborativo, do GT de Acessibilidade na Web do W3C Brasil, do Ministério Público de São Paulo e parceiros e apoiadores desse projeto.

Agradecemos imensamente todo o esforço do incansável grupo de colaboradores do GT de Acessibilidade na Web. Também agradecemos aos parceiros, Ministério do Planejamento, Governo do Estado de São Paulo, Prefeitura de São Paulo, AACD, ABRADI e Brasscom por apoiarem essa iniciativa, principalmente na sua divulgação.

E por fim, uma menção muito especial de agradecimento a toda equipe do CGI.br e nIC.br que apoiam e sustentam essa iniciativa.

Vagner Diniz, gerente do W3C Escritório Brasil e
 Reinaldo Ferraz, especialista em acessibilidade na web, W3C Escritório Brasil.

Capítulo 1: Introdução

Ilustração de uma mulher cega utilizando um computador e um cão guia ao seu lado

1.1. Objetivos da Cartilha

A Cartilha de Acessibilidade na Web foi desenvolvida pelo GT de Acessibilidade na Web do W3C Brasil com os seguintes objetivos:

1.2. Licença de uso

A Cartilha de Acessibilidade na Web do W3C Brasil é disponibilizada sob a licença ”Creative Commons Atribuição – uso não-comercial 3.0 Brasil” (CC BY-nC 3.0 BR). Qualquer pessoa que tenha acesso a seu conteúdo pode compartilhar, copiar, distribuir e transmitir a obra, desde que mantidas as seguintes condições:

Fica claro que:

1.3. Público-alvo da cartilha

1.4. Fascículos

Essa cartilha buscará atender os diversos públicos e abordagens sobre acessibilidade na web. Desde o iniciante, até aquele que necessita de uma visão mais técnica sobre o assunto, seja do ponto de vista jurídico, seja sobre os padrões de desenvolvimento de sítios. Para tanto, a cartilha foi organizada em fascículos onde cada um abordará diferentes aspectos da Acessibilidade na web.

Os próximos fascículos que serão elaborados são:


  1. Legislação e Benefícios da Acessibilidade na Web
  2. Conhecendo o Público Alvo da Acessibilidade Web
  3. Tornando o Conteúdo Web Acessível

  4. Mantendo o Conteúdo Acessível

  5. Mensurando Acessibilidade e Resultados

  6. Referências

1.5. Como contribuir

Se você tem interesse em contribuir com essa cartilha enviando correções, sugestões de exemplos, testemunhos etc., junte-se ao GT de Acessibilidade na Web do W3C. Para obter maiores informações sobre como participar deste grupo, entre em contato com o W3C Brasil.

1.6. Siglas utilizadas nesse fascículo

AACD
Associação de Assistência à Criança Deficiente

ABRADi
Associação Brasileira das Agências Digitais

ABnT
Associação Brasileira de normas Técnicas

Brasscom
Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação
ONU
Organização das Nações Unidas
WAI
Web Accessibility Initiative do W3C
W3C
World Wide Web Consortium

Capítulo 2: O que é acessibilidade na web

Ilustração de três pessoas utilizando tablet, computador e notebook

2.1. Como funciona a Internet?

A Internet é uma grande rede de computadores, criada a partir de um conjunto de regras e protocolos que interligam permanentemente milhões de computadores em todo o mundo. É esta rede que nos permite consultar páginas digitais que contêm as mais diversas informações, acessar serviços públicos ou privados, fazer compras usando o comércio eletrônico, trocar mensagens de correio eletrônico, intercambiar arquivos de textos, imagens, áudios e vídeos, fazer chamadas e teleconferências com áudio e vídeo, participar de redes sociais, entre outras atividades.

Para se conectar à Internet, o indivíduo precisa ter:

  1. algum dispositivo computacional (computador desktop, laptop, tablet celular, dentre outros) que possua softwares 3 adequados para o acesso à Internet.
  2. acesso a algum computador conectado à rede, chamado de provedor, responsável por fornecer o acesso de outros computadores à internet.
  3. uma conexão física entre esses dois computadores, que pode ser através de uma linha telefônica convencional, uma linha de telefone celular ou uma linha de transmissão de dados, com ou sem fio.

2.2. Como funciona a web?

A World Wide Web, ou WWW, ou W3, ou simplesmente web, é um dos serviços oferecidos na Internet, concebido para disponibilizar permanentemente informações a todos os usuários. Desde 1991, quando foi criada por Tim Berners-Lee, que também criou o W3C, a web vem sendo utilizada em áreas cada vez mais diversas da atividade humana (informação, comunicação, educação, comércio, saúde, acesso a serviços públicos e privados, entre outras) e vem ganhando cada vez mais importância na vida cotidiana de um número cada vez maior de pessoas, em todo o mundo.

Esse uso diversificado e maciço da web tornou seu usuário cada vez menos um leitor passivo (como acontecia no início) e cada vez mais um ator participativo (como é possível constatar observando os blogs e redes sociais). Assim, a web deixou de ser apenas um repositório de documentos estáticos, para se tornar um veículo hiperdinâmico de comunicação, expressão de opiniões, intercâmbio de conhecimentos, realização de negócios, ensino a distância e muitas outras utilizações que surgem a todo momento.

A web é composta por um imenso conjunto de documentos, que nos são apresentados em pequenas porções chamadas de páginas web. Essas páginas e documentos possuem muitas interligações entre seus conteúdos, feitas por conexões chamadas de hiperlinks. Cada hiperlink cria uma relação com outra página (do mesmo ou de algum outro documento) ou com o endereço de outra parte da mesma página. Por exemplo, ao ler a versão web desta cartilha, dependendo do interesse e da necessidade, o leitor certamente irá utilizar os hiperlinks para avançar a outro item do mesmo capítulo, a outro capítulo ou a outro documento que não pertence a esta cartilha.

Esse tipo de organização não linear, que permite várias sequências lógicas de leitura e vários níveis de aprofundamento nos assuntos, de acordo com o interesse e a necessidade do leitor, é chamado de hipertexto. O hipertexto, portanto, é um texto que possui marcações especiais, indicando sua ligação ou hiperlink com outros hipertextos. Além dos hiperlinks, as marcações do hipertexto indicam também sua estrutura, composta por títulos, subtítulos, listas, tabelas, formulários, entre outros elementos.

A linguagem usada para a marcação dessas estruturas e hiperlinks nos hipertextos é chamada de Hypertext Markup Language, ou HTML. O protocolo usado para transferir os hipertextos entre os servidores (computadores ligados à Internet que armazenam os documentos) e os clientes (computadores dos usuários da Internet) é chamado de Hypertext Transfer Protocol, ou HTTP.

A maior parte das informações e serviços é disponibilizada na Internet por meio da web. As páginas web não são armazenadas aleatoriamente, de maneira dispersa, mas, sim, com uma organização própria. um conjunto de páginas web interligadas e que possuem o mesmo endereço principal e a mesma administração é chamado de site ou sítio. O sítio web possui uma página inicial, também chamada de home page, considerada o ponto principal de acesso às outras páginas da aplicação ou do serviço.

2.3. O que é acessibilidade?

Existem muitas definições de acessibilidade. A seguir, apresentaremos algumas delas, destacando os aspectos mais relevantes para nosso propósito. Ao final, será proposta uma definição que reúne os aspectos destacados.

o Decreto Federal n° 5.296/2004 [1], em seu artigo 8°, I, estabelece:

“I – acessibilidade: condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida;”

Esta definição apresenta uma lista bastante abrangente dos objetos aos quais se aplica a acessibilidade, englobando desde edificações até meios de comunicação, ainda que esteja muito focada em espaços e serviços coletivos. Ressalta adequadamente que a utilização deve se dar com segurança e autonomia, porém restringe sua abrangência a pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida, ao invés de aplicá-la a todas as pessoas. Além disso, utiliza a denominação “pessoa portadora de deficiência”, termo atualmente considerado inadequado.

A Convenção Internacional Sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, adotada pela onu em 30 de março de 2007, em nova York, e ratificada pelo Decreto Federal n° 6.949 de 25 de agosto de 2009 [2], estabelece em seu artigo 9 o, item 1:

“A fim de possibilitar às pessoas com deficiência viver com autonomia e participar plenamente de todos os aspectos da vida, os Estados Partes deverão tomar as medidas apropriadas para assegurar-lhes o acesso, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas, ao meio físico, ao transporte, à informação e comunicação, inclusive aos sistemas e tecnologias da informação e comunicação, bem como a outros serviços e instalações abertos ou propiciados ao público, tanto na zona urbana como na rural”.

Esta definição tem a virtude de ressaltar alguns pontos importantes como a vida independente, a participação plena e o acesso em igualdade de oportunidades; porém restringe sua abrangência a equipamentos e serviços públicos e às pessoas com deficiência.

A norma Brasileira ABnT nBR 9050:2004 [3] define em seu item 3.1:

“Acessibilidade: Possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização com segurança e autonomia de edificações, espaço, mobiliário, equipamento urbano e elementos.”

A principal contribuição desta definição é ressaltar a importância dos aspectos de alcance, percepção e entendimento.

Para os propósitos desta cartilha, será utilizado o termo “acessibilidade” no sentido de: possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização, em igualdade de oportunidades, com segurança e autonomia, do meio físico, do transporte, da informação e da comunicação, inclusive dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação, bem como de outros serviços e instalações.

Para as pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, a acessibilidade possibilita uma vida independente e com participação plena em todos os seus aspectos; e para todas as pessoas, em diferentes contextos, pode proporcionar maior conforto, facilidade de uso, rapidez, satisfação, segurança e eficiência.

2.4. O que é acessibilidade na web?

”Acessibilidade na web significa que pessoas com deficiência podem usar a web. Mais especificamente, a acessibilidade na web significa que pessoas com deficiência podem perceber, entender, navegar, interagir e contribuir para a web. E mais. Ela também beneficia outras pessoas, incluindo pessoas idosas com capacidades em mudança devido ao envelhecimento” [4].

Se for aplicada a definição geral de acessibilidade ao ambiente específico da web, pode-se dizer que se trata da possibilidade e da condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização, em igualdade de oportunidades, com segurança e autonomia, dos sítios e serviços disponíveis na web. Porém, para abarcar a complexidade do conceito de acessibilidade na web, existem alguns aspectos específicos que precisam ser considerados.

a) a importância, a abrangência e a universalidade da web

Está cada vez mais difícil encontrar um campo da atividade humana em que não haja, de algum modo, influência da web, seja na educação, na formação profissional, no trabalho, na informação, na cultura, nas comunicações, no comércio, nos negócios, na saúde, nos serviços públicos e nos contatos profissionais e pessoais, citando apenas os campos de utilização mais comuns. Além dessa diversidade temática, é cada vez mais importante que a web esteja disponível em todas as situações e ambientes, a qualquer momento, sob as mais diversas condições técnicas. Dessa forma, considera-se fundamental a disponibilidade da web em casa, no trabalho ou nas viagens, em dispositivos móveis ou computadores convencionais, seja em ambientes internos ou externos, em meios urbanos ou rurais.

Assim, a web assume um papel de tão grande importância, que sua acessibilidade passa a não significar acesso a uma coisa só, mas a uma infinidade de aspectos importantes da vida e do cotidiano de cada pessoa. É por isso que a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência estabelece, em seu artigo 9, sobre acessibilidade, que:

“Os Estados Partes tomarão as medidas apropriadas para: [...] g) Promover o acesso de pessoas com deficiência a novos sistemas e tecnologias da informação e comunicação, inclusive à Internet.”

Nesse mesmo sentido, Tim Berners-Lee [5] afirma que o poder da web está na sua universalidade. o acesso por todas as pessoas, não obstante a sua deficiência, é um aspecto essencial. Para o W3C [6], é essencial que a web seja acessível, de modo a prover igualdade de acesso e de oportunidades para pessoas com diferentes capacidades. E acrescenta que a acessibilidade sustenta a inclusão social de pessoas com deficiência, idosas, residentes em áreas rurais, em países em desenvolvimento, entre outras.

Mas a importância do acesso à web por pessoas com deficiência vai além de questões de democracia, justiça social e igualdade de oportunidades. Já em 2003, Jorge Fernandes e Francisco Godinho [7] afirmavam que: Para a maioria das pessoas, a tecnologia torna a vida mais fácil. Para uma pessoa com necessidades especiais, a tecnologia torna as coisas possíveis.

Se for aplicada esta afirmativa ao contexto da web, é possível concluir que uma pessoa com deficiência deveria acessar a web em melhores condições, já que tem mais dificuldade para acessar essas mesmas informações e serviços no mundo físico, porque não pode ler material impresso, ou ouvir informações transmitidas oralmente, ou locomover-se até determinado local, ou compreender informações transmitidas em ambientes confusos e com muita estimulação, entre outras barreiras.

b) a reciprocidade

Costuma se pensar na acessibilidade como uma via de mão única, como se as pessoas fossem apenas receptoras. Porém isso está longe da verdade, especialmente no caso da web. De acordo com documentos da Iniciativa para a Acessibilidade na Web (W3C-WAI)4, acessibilidade na web significa que pessoas com deficiência podem perceber, compreender, navegar e interagir com a web e podem também contribuir com a web.

“Quanto mais sítios e programas acessíveis estiverem disponíveis, mais efetivamente pessoas com deficiência poderão usar e contribuir com a web.” [8]

Portanto, quanto mais pessoas puderem acessar, mais contribuições haverá para a web e, através dela, para a sociedade.

c) a multiplicidade e a diversidade de fatores envolvidos

Para que a acessibilidade na web seja alcançada, é necessário que vários componentes estejam trabalhando adequadamente em conjunto. A W3C-WAI [9] identifica sete componentes:

  1. Conteúdo é a informação contida numa página ou aplicação web, incluindo:
    • a informação natural, tal como texto, imagem e áudio;

    • o código ou marcação, que define a estrutura, a forma de apresentação, etc.
  2. Navegadores são os tocadores de conteúdo multimídia e outros agentes do usuário.
  3. Tecnologia assistiva é aquela usada por pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, como é o caso dos programas leitores de tela, dos ampliadores de tela, dos teclados alternativos, entre outros.
  4. O conhecimento do usuário, sua experiência e, em alguns casos, suas estratégias adaptativas para a utilização da web.

  5. Desenvolvedores, designers, codificadores, autores, entre outros, incluindo pessoas com deficiência que são desenvolvedores e usuários que contribuem com conteúdo.
  6. Ferramentas de autoria (authoring tools): softwares usados para criar sítios web
  7. Ferramentas de avaliação: avaliadores de acessibilidade, validadores de HTML, validadores de CSS, entre outros.

Esta cartilha abordará o primeiro componente, conteúdo da web, e como se dão suas relações com os demais componentes, em seus diversos aspectos, para que a acessibilidade seja garantida.

Após essas considerações, é possível reescrever a definição de acessibilidade na web, agora de maneira mais rica e abrangente:

Acessibilidade na web é a possibilidade e a condição de alcance, percepção, entendimento e interação para a utilização, a participação e a contribuição, em igualdade de oportunidades, com segurança e autonomia, em sítios e serviços disponíveis na web, por qualquer indivíduo, independentemente de sua capacidade motora, visual, auditiva, intelectual, cultural ou social, a qualquer momento, em qualquer local e em qualquer ambiente físico ou computacional e a partir de qualquer dispositivo de acesso.

De maneira resumida, é possível dizer que garantir a acessibilidade na web é permitir que qualquer indivíduo, utilizando qualquer tecnologia de navegação, visite qualquer sítio e obtenha completo entendimento das informações contidas nele, além de ter total habilidade de interação [10]. Isso significa tornar todos os serviços, assuntos e publicações tão fáceis de serem utilizados por todas as pessoas, que até esqueceremos que há diferenças [11].

2.5. Projetando para todos

O fundamento teórico mais relevante para o conceito de acessibilidade é o Desenho universal, que é o desenvolvimento de produtos e ambientes para serem usáveis por todas as pessoas, na maior extensão possível, sem a necessidade de adaptação ou desenho especializado [4]. A ideia principal contida no Desenho universal é que o mundo projetado deve se adaptar o melhor possível a todas as pessoas, ao invés de exigir destas um grande esforço de adaptação. Estão de acordo com o Desenho universal, por exemplo, os ambientes que possuem rampas de acesso, banheiros e bebedores adaptados, fraldários, pisos podotáteis, elevadores com áudio e painéis em Braille, etc. outro exemplo são os filmes que possuem audiodescrição, legendas e tradução para LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais.

Assim, o uso do Desenho universal significa um grande passo na direção de um mundo cada vez mais inclusivo, que se adapta cada vez mais às diferentes habilidades e necessidades das pessoas e que exige delas cada vez menos esforço individual adaptativo, o qual, como sabemos, acaba sempre por excluir muitas pessoas da participação na vida social e também por privar a sociedade da contribuição que poderia ser trazida por essas pessoas.

São sete os princípios do Desenho universal [12]:

Ao se aplicarem à web os princípios do Desenho universal, conclui-se que os objetos e ambientes utilizados nos sítios devem ser projetados para serem utilizados, sem modificação ou assistência externa, pelo maior número de pessoas possível, independentemente de suas habilidades motoras, visuais, auditivas, táteis ou de qualquer outra condição que possa oferecer dificuldade na finalização de uma tarefa.

Os objetos e ambientes são veiculados na Internet por meio de códigos, que devem se adequar a certos padrões para permitir que tanto os controles de navegação quanto o conteúdo sejam compatíveis com a ampla variedade de dispositivos de acesso à web, e com toda a diversidade da tecnologia assistiva utilizada por pessoas com deficiência e mobilidade reduzida. Assim, todos os sítios web devem ser construídos de acordo com padrões, para que, quando reutilizados em escala, não ofereçam barreiras de acesso por toda ou parte da sociedade [13].

Capítulo 3: Quem são os beneficiados com uma web acessível?

Ilustração de várias pessoas utilizando diversos disposivos

Quando se pensa em acessibilidade na web e seus benefícios, é natural associar acessibilidade com responsabilidade social, melhoria da imagem das empresas/instituições e a disponibilização democrática de serviços, produtos e informações para as pessoas com deficiência.

As pessoas com deficiência são as maiores beneficiadas, pois, na falta da acessibilidade na web, podem ter seu acesso prejudicado ou até mesmo impedido pelas barreiras impostas pela inacessibilidade. Mas, quando os sítios são verdadeiramente acessíveis, as pessoas com deficiência podem usufruir de todas as informações e serviços disponíveis na web.

“A web é cada vez mais um recurso essencial em muitos aspectos da vida: educação, emprego, governo, comércio, saúde, diversão, interação social, e muito mais. É usada não apenas para receber informações, mas também para fornecer informações e interagir com a sociedade. Portanto, é essencial que seja acessível, a fim de proporcionar igualdade de acesso e de oportunidades para pessoas com deficiência.” [14]

Assim, a partir de uma web acessível, muitos cenários aparentemente improváveis tornam-se possíveis, não só para pessoas com deficiência, mas também para qualquer categoria de usuário, tais como:

Fazendo uma analogia com o mundo físico, a maioria dos shoppings centers utiliza portas que abrem automaticamente quando as pessoas se aproximam. Isso possibilita que cadeirantes, pessoas com deficiência motora, idosos e mães com carrinhos de bebê entrem com facilidade no local, sem necessitarem do auxílio de terceiros. Essa característica acaba por facilitar a entrada e a saída do shopping a todas as pessoas, com e sem deficiência, nos mais diferentes contextos.

No mundo digital, isso também funciona, pois, quando facilitamos o acesso e o uso para pessoas com deficiência e mobilidade reduzida, todos, de algum modo, acabam sendo beneficiados.

Por exemplo, para se tornar acessível para pessoas com baixa visão, um hiperlink precisa apresentar bom contraste entre a cor do texto e o respectivo fundo, ter aparência clara de um hiperlink, destacar-se dos outros textos e hiperlinks, ter uma boa área para o clique/toque, fazer sentido quando lido fora de contexto e, principalmente, informar claramente seu destino. Todas essas características são fundamentais para que as pessoas com baixa visão consigam utilizá-los, e ainda acabam facilitando o acesso de todas as pessoas.

Além disso, devido à universalidade e à grande versatilidade da Internet, os usuários atuam em contextos bastante diferentes, podendo estar inseridos em alguma das seguintes situações:


Para ilustrar melhor a importância da acessibilidade em diferentes contextos de uso da web, a seguir são apresentados alguns cenários em que pessoas sem deficiência são beneficiadas e usuárias diretas da acessibilidade:

Capítulo 4: Referências para consulta

Ilustração de diversos livros ao redor de um notebook

A tabela a seguir contém referências para artigos, sítios web e ferramentas relevantes para a acessibilidade web. Cada referência poderá ser indicada para um ou mais perfis de público-alvo da cartilha. Essa indicação será feita nas últimas colunas da tabela, por meio das letras de A a D, de acordo com os perfis, considerando:

4.1. Perfis da Cartilha:

A
Cidadão interessado, que necessita de conhecimento para saber como cobrar seus representantes e os gestores dos sítios a respeito da falta de acessibilidade
B
Procuradores, promotores e auditores que necessitam adquirir conhecimento sobre acessibilidade na web.
C
Gestores,administradores e gerentes de projeto que necessitam conhecer a importância, os benefícios e as ações necessárias para garantir a acessibilidade em seus sítios.
D
Desenvolvedores, designers, arquitetos de informação, testadores e provedores de conteúdo que necessitam de orientação sobre onde obter diretrizes técnicas de acessibilidade, bem como sobre a melhor maneira de utilizá-las na prática e de testar o resultado de seu trabalho.

Todos os links dessa sessão e das referências bibliográficas foram acessados e verificados no dia 21 de novembro de 2013.

Artigos
Nome e hiperlink Perfis
01 Introdução à acessibilidade na Web (W3C – tradução Maujor.com) http://www.maujor.com/w3c/introwac.html A B C D
02 Acessibilidade Web: tudo tem sua primeira vez – Parte I http://acessibilidadelegal.com/13-tudotem.php A B C D
03 Acessibilidade Web: tudo tem sua primeira vez – Parte II http://acessibilidadelegal.com/13-tudotem2.php A B C D
04 Vídeo: acessibilidade Web: custo ou benefício? http://www.videolog.tv/video.php?id=230205 A B C D
05 Guia de referência em acessibilidade Web – UNIRIO http://www.acessibilidadelegal.com/13-guia.php A B C D
06 Prêmio Nacional de Acessibilidade Web – W3C Brasil http://premio.w3c.br/ A B C D
07 Acessibilidade Web: 7 mitos e um equívoco http://acessodigital.net/art_acessibilidade-web-7-mitos-e-um-equivoco.html A B C D
08 Acessibilidade não é altruísmo http://acessodigital.net/art_aces_nao_e_altruismo.html A B C D
09 Supermercados: o preço da inacessibilidade http://acessodigital.net/art_leda_supermercados.html A B C D
10 O selo não garante a acessibilidade http://acessodigital.net/art_o_selo.html A B C D
11 Acesso Digital – artigos e links de acessibilidade http://acessodigital.net/artigos.html A B C D
12 Acessibilidade Legal – artigos e links de acessibilidade http://acessibilidadelegal.com/ A B C D
13 e-MAG – Modelo de Acessibilidade de Governo Eletrônico http://www.governoeletronico.gov.br/acoes-e-projetos/e-MAG A B C D
14 Diretrizes de acessibilidade para conteúdo Web (WCAG) 2.0 http://www.w3.org/Translations/WCAG20-pt-br/ B C D
15 Análise de acessibilidade dos sites oficiais dos três principais candidatos à presidência do Brasil http://acessodigital.net/art_analises-sites-candidatos.html A B C D
16 Métodos e validadores de acessibilidade Web http://www.acessibilidadelegal.com/13-validacao.php B D
17 Navegação via teclado e leitores de tela http://www.acessibilidadelegal.com/33-leitores.php B D
18 Planejando a implementação de acessibilidade à Web (W3C – tradução Maujor.com) http://www.maujor.com/w3c/wai-impl.html C D
19 Dez testes rápidos para checar a acessibilidade do seu website http://www.maujor.com/tutorial/acessibilidade/tentest.php B C D
20 Padrões Brasil e-Gov http://www.governoeletronico.gov.br/acoes-e-projetos/padroes-brasil-e-gov D
21 Usando o JAWS para avaliar acessibilidade (WEBAIM –tradução Maujor.com) http://www.maujor.com/tutorial/usando-jaws-para-testes.php D
22 Técnicas CSS para acessibilidade a conteúdo Web – Diretrizes 1.0 (W3C – tradução Maujor.com) http://www.maujor.com/w3c/tec_css_acess.html D
23 Componentes essenciais para acessibilidade à Web(W3C – tradução Maujor.com) http://www.maujor.com/w3c/wcacomponents.html D
24 Grupo de Trabalho de Acessibilidade – W3C Brasil http://www.w3c.br/GT/GrupoAcessibilidade D
25 Projeto Acessibilidade Virtual (projetos, dicas e manuais) http://acessibilidade.bento.ifrs.edu.br/acessibilidade-web.php D
26 Todos Nós – artigos científicos http://styx.nied.unicamp.br:8080/todosnos/acessibilidade/artigos-cientificos D
27 Acessibilidade Brasil http://www.acessobrasil.org.br/ D
28 Diretrizes irlandesas de acessibilidade Web http://www.acessibilidadelegal.com/13-irlandesas.php D
29 Cartilha de acessibilidade – Lupa Digital http://www.lupadigital.info/ D
30 Equivalentes textuais para acessibilidade de imagens na Web http://www.acessibilidadelegal.com/13-equivalentes.php D
31 Acesso à Web e tecnologias assistivas http://www.acessibilidadelegal.com/33-acesso.php D
32 Opções na hora de saltar http://blog.w3c.br/opcoes-na-hora-de-saltar/ D
33 CSS e acessibilidade Web http://blog.w3c.br/css-e-acessibilidade-na-web/ D
34 As cores de minha Web http://tableless.com.br/as-cores-da-minha-web/ D
35 Eu não sou uma máquina http://tableless.com.br/eu-nao-sou-uma-maquina/ D
36 Qual unidade utilizar – Pixel, EM ou REM http://tableless.com.br/unidade-pixels-em-rem/ D
37 Formulários acessíveis à prova de spam (Jared Smith –tradução Maujor.com) http://www.maujor.com/tutorial/spam-em-formularios.php D
38 JuicyStudio (artigos em inglês) http://juicystudio.com/articles.php D
39 Building Accessible Websites (livro disponível digitalmente – em inglês) http://joeclark.org/book/sashay/serialization/ D
40 WebAIM – Web Accessibility in Mind (artigos em inglês) http://webaim.org/articles/ D
41 456 BEREAst (artigos em inglês)http://www.456bereastreet.com/ D
42 Analisador de contraste de cores 1.1 (Steve Faulkner – tradução Maujor.com)http://www.maujor.com/tutorial/ccanalyser.php D
43 Tabelas de dados acessíveis (Roger Hudson – tradução Maujor.com)http://www.maujor.com/tutorial/actables.php D
44 Desenvolvendo AJAX acessível aos leitores de tela (Gez Lemon e Steve Faulkner – tradução Maujor.com)http://www.maujor.com/tutorial/ajax-screen-readers.php D
45 Criação de JavaScript acessível – Programa Acesso da UMIC http://www.acessibilidade.gov.pt/tutor/java_1/index.htm D
Validadores
Nome e hiperlink Perfis
46 Avaliador automático de HTML – W3C (em inglês) http://validator.w3.org/ B D
47 Avaliador automático de CSS – W3C (em inglês) http://jigsaw.w3.org/css-validator/ B D
48 Complete List of Web Accessibility Evaluation Tools (em inglês) http://www.w3.org/WAI/ER/tools/complete B D
49 ASES – Avaliador e simulador de acessibilidade de sítios http://www.governoeletronico.gov.br/acoes-e-projetos/e-MAG/ases-avaliador-e-simulador-de-acessibilidade-sitios B D
50 Analizador WCAG 2.0 (em espanhol) http://www.tawdis.net/ B D
51 AccessMonitor – avaliador automático de acessibilidade, HTML e CSS http://www.acessibilidade.gov.pt/accessmonitor/ B D
Softwares e leitores de tela
Nome e hiperlink Perfis
52 DOSVOX – tecnologia assistiva – Windows (gratuito) http://intervox.nce.ufrj.br/dosvox/ D
53 JAWS for Windows – leitor de telas (tecnologia assistiva) – Windows http://www.freedomscientific.com/products/fs/jaws-product-page.asp D
54 Virtual Vision – leitor de telas (tecnologia assistiva) – Windows http://www.virtualvision.com.br/ D
55 NVDA – Non Visual Desktop Access – leitor de telas (tecnologia assistiva) – Windows (gratuito)
 http://community.nvda-project.org D
56 Orca – leitor de telas (tecnologia assistiva) Linux (gratuito) https://live.gnome.org/Orca D

4.2. Lista de discussão

O W3C Brasil mantém uma lista de discussão sobre acessibilidade na web, aberta a qualquer pessoa com e-mail, com o objetivo de estimular a troca de informações sobre o tema. O ingresso na lista é livre e gratuito.

O endereço da lista é https://mail.nic.br/mailman/listinfo/w3c_acessibilidade.

Referências bibliográficas

  1. Brasil. Decreto no 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis no 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e a no 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm.
  2. Brasil. Decreto no 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D6949.htm.
  3. ABNT. Norma Brasileira ABNT NBR 9050:2004. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/arquivos/%5Bfield_generico_imagens-filefield-description%5D_24.pdf.
  4. W3C. Acessibilidade para o WAI. Disponível em: http://www.w3.org/WAI/intro/accessibility.php.
  5. Web Accessibility Initiative (WAI). Home page. Disponível em: http://www.w3.org/WAI/.
  6. W3C. Getting Started with Web Accessibility – Web Accessibility initiative – W3C. http://www.w3.org/standards/webdesign/accessibility.
  7. Fernandes J, Godinho F. Acessibilidade aos sítios Web da AP para cidadãos com necessidades especiais, maio 2003. Disponível em: http://www.acessibilidade.gov.pt/manuais/manualv2.doc.
  8. W3C. Introduction to Web Accessibility – Web Accessibility Initiative. Disponível em: http://www.w3.org/WAI/intro/accessibility.php#i-what.
  9. W3C. Essential Components of Web Accessibility. Disponível em: http://www.w3.org/WAI/intro/components.php.
  10. RENAPI. Acessibilidade Virtual – Informação ao alcance de todos. Disponível em: http://acessibilidade.bento.ifrs.edu.br/acessibilidade-web.php.
  11. Nascimento C. Frase vencedora do concurso “Jornadas de Conhecimento sobre Acessibilidade na Web”, 2007.
  12. The Center for Universal Design: The Principles of Universal Design, Version 2.0. Raleigh, NC: North Carolina State University. Disponível em: http://www.ncsu.edu/ncsu/design/cud/about_ud/udprinciplestext.htm.
  13. Derivado de W3C Web Content Accessibility Guidelines 1.0 1999; Accessible Environnements: Toward Universal Design por Ronald L. Mace, Graeme J. Hardie e Jaine P. Place, Centro de Design Universal da Faculdade Estadual da Carolina do Norte, EUA, 1996. Disponível em: http://www.w3.org/TR/WCAG10/ e http://www.ncsu.edu/ncsu/design/cud/pubs_p/docs/ACCEnvironments.pdf.
  14. W3C. WAI (Web Accessibility Initiative): Developing a Web Accessibility Business Case for Your Organization: Overview. Disponível em: http://www.w3.org/WAI/bcase/#intro.
  15. W3C. WAI: Stories of Web Users. Disponível em: http://www.w3.org/WAI/intro/people-use-web/stories.
  16. WCAG 1.0. Recomendações de Acessibilidade para Conteúdo Web (em português de Portugal – traduzido pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro). Disponível em: http://www.utad.pt/wai/wai-pageauth.html.